Cultura e Actividades Desportivas

Cultura

Macau foi uma das primeiras cidades portuárias da China a abrir-se ao exterior e um importante ponto de ligação e de entreposto comercial na Rota da Seda Marítima. Graças à coexistência das culturas chinesa e estrangeira ao longo de mais de 400 anos, as culturas diversas se interinfluenciam e coexistem na região, constituindo, assim, uma cultura de Macau de coexistência harmoniosa entre o Oriente e o Ocidente. Desde o retorno de Macau à Pátria, Macau foi agraciado com os três cartões de visita internacionais do Património Mundial da UNESCO, do Registo da Memória do Mundo e da Cidade Criativa de Gastronomia, respectivamente, e a imagem cultural da cidade elevou-se significativamente. Na medida do desenvolvimento de construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, Macau empenha-se ainda mais na promoção do trabalho de construção da “base de intercâmbio e cooperação cultural onde se verifica a coexistência multicultural, tendo a cultura chinesa como predominante”. Na prossecução das estratégias e orientações de desenvolvimento das funções da cultura chinesa predominante e de demonstração das características multiculturais traçadas, cabe ao Instituto Cultural do Governo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) desenvolver trabalhos nas áreas do património cultural, museologia, artes performativas, cultura criativa e bibliotecas públicas. Para além de se dedicar à protecção, transmissão e promoção do património cultural e do património cultural intangível, o Instituto Cultural organiza, anualmente, diversas exposições culturais e artísticas, actividades promocionais da leitura e divulgação cultural nas suas instalações subordinadas. Através das duas orquestras profissionais e de várias festividades culturais e artísticas de grande envergadura, empenha-se em fomentar a transmissão, a divulgação, o intercâmbio e a cooperação das culturas e artes, procurando, por um lado, elevar a qualidade cultural e as capacidades estéticas dos cidadãos, e estimular as associações cívicas e os trabalhadores culturais a organizarem actividades culturais e a produzirem obras artísticas, por outro, por forma a enriquecer a vida espiritual da cidade, aumentar o conteúdo humanístico enquanto na qualidade do Centro Mundial de Turismo e Lazer, e fazer rebrilhar ainda mais a boa fama da cultural de Macau. Em paralelo, através da execução de planos de apoio financeiro aos sectores profissionais da cultura criativa e da concretização de feiras culturais e criativas, promover-se-á o desenvolvimento saudável das indústrias culturais e criativas locais.

O Património Cultural e o Património Cultural Intangível de Macau

O vasto património cultural de Macau é um testemunho da harmonia e integração de múltiplas culturas ao longo de vários séculos, constituindo um recurso importante para o desenvolvimento sustentável da sociedade de Macau. O Centro Histórico de Macau, o qual preserva a essência do intercâmbio cultural entre a China e o Ocidente, foi inscrito na Lista do Património Mundial em 2005, tornando-se o 31.º sítio designado como Património Mundial da China. Por outro lado, o grande número de recursos históricos e culturais de Macau incluem ainda bens imóveis classificados, património cultural intangível, património arqueológico, árvores antigas e de reconhecido valor, entre outros. Por forma a salvaguardar o inestimável património cultural de Macau, incluindo o Centro Histórico de Macau, classificado como património mundial, o Governo da Região Administrativa Especial (RAEM) formulou a Lei N.º 11/2013 (Lei de Salvaguarda do Património Cultural), a qual entrou em vigor no dia 1 de Março de 2014. Esta lei estabelece claramente o âmbito de salvaguarda do património cultural de Macau, a forma de protecção, os procedimentos e critérios de classificação, as responsabilidades e obrigações legais, criando ainda o Conselho do Património Cultural como órgão de consulta para o estabelecimento de um sistema de salvaguarda do património cultural da RAEM. (Mais informações)

Património Mundial de Macau

No dia 15 de Julho de 2005, no âmbito da 29.ª Sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO, o Centro Histórico de Macau foi inscrito com sucesso na Lista do Património Mundial, tornando-se o 31.º sítio designado como Património Mundial da China. O Centro Histórico de Macau é composto por 8 largos, 22 imóveis classificados e pelas ruas que ligam os espaços dos largos e das construções históricas. Pois, até à data, as  ruas históricas, edifícios residenciais, religiosos e públicos de estilo chinês e português, testemunham aconvergência de influências orientais e ocidentais a nível estético, cultural, religioso, arquitectónico e tecnológico. (Mais informações)

Lista dos Imóveis e Sítios do Centro Histórico de Macau:

Templo de A-Má (Templo da Barra)Ruínas do Colégio de S. Paulo (antiga Igreja da Madre de Deus, adro e escadaria)Templo de Na Tcha (junto às Ruínas do Colégio de S. Paulo)
Fortaleza de N.ª Sr.ª do MonteSam Kai Vui Kun (Templo de Kuan Tai)Igreja da Sé Catedral
Casa de Lou KauEdifício do Seminário de S. José, Igreja do Seminário de S. José, adro e escadariaCasa do Mandarim
Igreja de S. DomingosTeatro D. Pedro VIgreja de St.º António e adro
Edifício da Biblioteca Sir Robert Ho TungIgreja de S. Lourenço e adroEdifício Sede da Fundação Oriente (Antiga Casa do Jardim da Gruta de Camões)
Igreja de St.º AgostinhoEdifício da Direcção dos Serviços de Assuntos Marítimos e de Água (Antigo Quartel dos Mouros)Fortaleza de N.ª Sr.ª da Guia, Capela de N.ª Sr.ª das Neves e Farol
Cemitério ProtestanteEdifício Sede da Santa Casa da Misericórdia de MacauAntigas Muralhas da Cidade (Troço na Calçada de S. Francisco Xavier)
Edifício Sede do Instituto para os Assuntos Municipais (Edifício do Antigo Leal Senado)Largo do Pagode da BarraLargo e Beco do Lilau
Largo de Santo AgostinhoLargo do Leal SenadoLargo da Sé
Largo de S. DomingosLargo da Companhia de JesusPraça de Luís de Camões

Sítios do Património Cultural de Macau

Macau possui um património histórico e cultural significativo. Para além do Centro Histórico de Macau, classificado como Património Mundial, Macau preserva igualmente vários edifícios históricos de importante valor cultural para a cidade. Desde a entrada em vigor da Lei n.º 11/2013 (Lei de Salvaguarda do Património Cultural), muitos edifícios históricos de importante valor cultural têm vindo a ser eficazmente protegidos ao abrigo da lei, incluindo acções ligadas ao processo de classificação de bens imóveis adicionais. Por outro lado, através dos trabalhos contínuos de levantamento e classificação efectuados nos termos da lei, os bens imóveis de valor cultural de Macau assumiram uma protecção legal ainda mais rigorosa. Em 2020, o número de bens imóveis classificados em Macau aumentou de 128 itens antes da entrada em vigor da “Lei de Salvaguarda do Património Cultural” para 147 itens. Os actuais 147 bens imóveis classificados dividem-se em quatro categorias, incluindo monumentos, edifícios de interesse arquitectónico, conjuntos e sítios, os quais se encontram distribuídos pela Península de Macau, e ilhas da Taipa e Coloane. O Governo da RAEM formulou medidas de salvaguarda dos bens imóveis em função do respectivo valor e características, com vista à preservação e promoção do património cultural de Macau, onde se verifica a coexistência multicultural, tendo a cultura chinesa como predominante.(Mais informações)

Ruínas do Colégio de S. Paulo (antiga Igreja da Madre de Deus, adro e escadaria)

O Colégio de S. Paulo foi fundado pela Companhia de Jesus em 1594, constituindo a primeira instituição de ensino superior de estilo ocidental na China. A antiga Igreja da Madre de Deus era um dos edifícios que faziam parte do Colégio de S. Paulo, tendo a sua construção sido iniciada em 1602. A pedra basilar do edifício permanece ainda do lado esquerdo da fachada. No lintel da entrada do rés-do-chão pode ler-se a inscrição latina “MATER DEI”, que significa “Mãe de Deus”. Em 1835, o Colégio de S. Paulo e a respectiva igreja foram destruídos por um incêndio, restando apenas a fachada, a escadaria de pedra e as fundações da igreja. O termo “San Pa” é a transliteração chinesa do nome “São Paulo”, sendo o sítio igualmente conhecido pelos locais como “Tai San Pa Pai Fong” (Grande Pórtico de S. Paulo).

Igreja de St.º Agostinho

A Igreja de St.º Agostinho foi fundada em 1591 por padres agostinhos. No início, o edifício era bastante simples, sendo o telhado coberto com ramos e folhas de palmeira que se assemelhavam aos bigodes de um dragão ondulando ao vento, pelo que a igreja é também conhecida como “Long Song Miu” (Templo do Dragão de Bigodes Longos). A igreja assumiu a sua forma actual com o restauro de 1874. O corpo principal do edifício consiste numa estrutura de alvenaria, com orientação norte-sul, apresentando um frontispício simples de estilo neoclássico da época da Renascença da Europa. A Igreja de St.º Agostinho é também o ponto de partida da Procissão de Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos, um evento religioso que é muito representativo de Macau, e que é celebrado com uma procissão que conta já com uma longa história em Macau, remontando a 1708. A procissão integra a “Novena e Festa em Honra do Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos”, sendo celebrada anualmente no primeiro Sábado e Domingo da Quaresma. Actualmente, a procissão decorre ao longo de dois dias, partindo da Igreja de Santo Agostinho e terminando na Igreja da Sé. No dia seguinte, faz-se o percurso inverso, durante o qual uma mulher interpreta o papel da Santa Verónica, entoando um cântico de lamento ao longo da via-sacra, enquanto um padre e os fiéis respondem com preces e cânticos, criando um ambiente de grande pesar. A Procissão de Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos está inscrita na “Lista do Património Cultural Intangível” de Macau.

Igreja de S. Domingos

A Igreja de S. Domingos foi fundada em 1587 e foi a primeira igreja da Ordem Dominicana na China. O edifício foi originalmente construído em madeira, razão pela qual a igreja é denominada em chinês por “Pan Cheong Miu” (Templo das Tábuas de Madeira), ou “Pan Cheong Tong”, (Igreja das Tábuas de Madeira). A igreja é também conhecida em chinês como “Mui Kuai Tong” (Igreja das Rosas) por ser dedicada a Nossa Senhora do Rosário. A decoração interior apresenta elementos barrocos evidentes. O frontispício apresenta uma composição simétrica, dividindo-se em quatro níveis, no terceiro dos quais encontra-se representada, ao centro, a insígnia da Ordem Dominicana. A igreja foi restaurada em 1997, tendo sido instalado um pequeno museu de arte sacra na área da sacristia, onde se encontram reunidas e expostas mais de 300 peças de arte sacra católica de Macau que remontam aos séculos XVII e XIX. Em 1929, iniciou-se o culto de Nossa Senhora de Fátima, sendo, no mesmo ano, realizada em Macau a primeira Procissão de Nossa Senhora de Fátima. Hoje em dia, esta procissão como parte integrante a “Novena e Festa de Nossa Senhora de Fátima” é realizada anualmente no dia 13 de Maio pela comunidade católica, a fim de comemorar as aparições de Nossa Senhora de Fátima que tiveram lugar na freguesia de Fátima, em Portugal, em 1917. Partindo da Igreja de S. Domingos, os devotos avançam até à Ermida da Penha, rezando o Rosário e entoando cânticos ao longo do caminho, gerando-se assim uma atmosfera de grande solenidade que faz desta uma cerimónia religiosa local muito especial. A Procissão de Nossa Senhora de Fátima está inscrita na “Lista do Património Cultural Intangível” de Macau.

Fortaleza de N.ª Sr.ª da Guia, Capela de N.ª Sr.ª das Neves e Farol

A Fortaleza da Guia foi construída em 1622, tendo sido objecto de novas obras em 1637, que foram concluídas no ano seguinte. O seu nome deriva do nome da colina aonde foi construída, nomeadamente, a Colina da Guia, que é o ponto mais elevado da Península de Macau. Em chinês, é conhecida como “Chong San Pau Toi” (Fortaleza da Colina dos Pinheiros), onde se encontram posto de vigilância, depósito de pólvora e torre. Classificada como zona militar restrita durante muito tempo, a Fortaleza foi posteriormente desmilitarizada e abriu em 1976 como atracção turística, após a retirada do exército português de Macau. A Capela de N.ª Sr.ª das Neves, no interior da Fortaleza, foi construída por volta de 1622, sendo consagrada a N.ª Sr.ª das Neves. Em 1996, o Governo realizou obras de manutenção na capela, tendo-se então descoberto vestígios de frescos pintados com base em técnicas de pintura chinesa, ilustrando episódios e personagens bíblicos. Os frescos evidenciam a mistura das artes e culturas chinesa e ocidental, realçando assim a singularidade desta capela relativamente a outras igrejas locais. O Farol da Guia foi concluído e inaugurado no dia 24 de Setembro de 1865, sendo o farol moderno mais antigo em todo o Extremo Oriente. Em 1874, o farol foi danificado por uma tempestade. Voltou a funcionar após o seu restauro, em 29 de Junho de 1910.

Casa do Mandarim

A Casa do Mandarim é a antiga residência de Zheng Guanying, um eminente intelectual, industrial e filantropo da época da China moderna. Nesta casa, a família Zheng editou o livro Palavras de Advertência em Tempos de Prosperidade, o qual teve uma grande influência na promoção de políticas reformistas na China moderna. A casa foi construída por Zheng Wenrui, pai de Zheng Guanying, e a sua construção remonta a 1869. O edifício constitui um complexo residencial de estilo chinês tradicional, sendo a única residência existente em Macau com a referência de um “Ronglu Dafu” (uma patente oficial no período feudal da China). A Casa do Mandarim possui características das casas tradicionais da região de Guangdong, integrando também uma forte influência da cultura ocidental. O actual complexo abrange uma área de cerca de 4.000 metros quadrados, estendendo-se ao longo de mais de 120 metros de comprido e sendo composto por vários edifícios e espaços abertos de diferentes estilos, incluindo mais de 60 divisões de grande e pequena dimensão. Trata-se de um raro exemplar de um complexo residencial familiar de grande escala em Macau.

Casa de Lou Kau

A Casa de Lou Kau é a antiga residência familiar do conceituado comerciante de Macau Lou Wa Sio (Lou Kau), constituindo uma das poucas residências de famílias abastadas de finais da Dinastia Qing ainda existentes e integralmente conservadas em Macau. Concluída por volta de 1889, a casa evidencia um estilo arquitectónico típico das residências populares da região central de Guangdong de finais da Dinastia Qing, integrando também alguns elementos decorativos típicos da arquitectura ocidental, combinando assim, ao estilo de Macau, várias características culturais chinesas e ocidentais. A residência apresenta uma estrutura com três divisões de largura e três divisões de profundidade, com dois pisos. No interior do edifício, existem vários saguões destinados a maximizar a ventilação e a entrada de luz natural, notando que o espaço ao longo do eixo central de todo o edifício é apenas dividido por biombos. A decoração da casa é requintada, incluindo elementos típicos da região de Lingnan, tais como formas tradicionais esculpidas em tijolo, esculturas e relevos em estuque e janelas com finas placas de casca de ostra, bem como tectos falsos de estilo ocidental, persianas, janelas manzhou e balaustradas de ferro, evidenciando assim um estilo sino-ocidental com características variadas e exemplificando a singular cultura vernacular arquitectónica dos edifícios residenciais de Macau.

O Teatro Dom Pedro V

Construído em 1860, considerado como  o primeiro teatro de estilo ocidental na China, tem acolhido inúmeros espectáculos de ópera, música e dança após a inauguração. Para além da sala de espectáculos, possuía ainda um salão de baile, uma sala de leitura e uma sala de bilhar, sendo um importante ponto de encontro entre a comunidade portuguesa da altura. Era posteriormente arrendado aos comerciantes de Macau que projectavam filmes. Criou-se, ainda, um teatro intitulado “Cinema de Excelência Macau”. Era chamado, por isso, “Teatro de Macau” ou “Teatro D. Pedro V”.

O Teatro Dom Pedro V é um edifício arquitectónico com design de decorações requintadas que inspira uma atmosfera romântica. O edifício, de estilo neoclássico e renascentista grego, possui um estilo luxuoso de teatro europeu de então e condiz com o ambiente local de Macau. Enquanto as paredes exteriores são pintadas de verde e decoradas com tiras brancas, as portas e janelas em verde-escuro e telhado de telhas vermelhas. Embora rodeado por edifícios pintados a amarelo, o teatro sobressai-se pela própria elegância singular e não perde a harmonia co eles. Há no seu lobby um candeeiro de cristal antigo, pendurado alto, que dá um ar misterioso e é de forte encanto artístico. A sala de espectáculos, em forma de concha, com capacidade para 275 assentos, proporciona um ambiente espaçoso e conforto. O corredor do teatro tem escadas de acesso ao segundo andar que é um espaço de espectadores em forma arcada. O Teatro Dom Pedro V, que tem vindo a partilhar com a comunidade de Macau as mudanças sociais ao longo de centenas de anos, é, agora, um dos mais importantes edifícios incluídos no “Centro Histórico de Macau”, inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO. É nele que se concretizaram actividades recreativas de lazer da comunidade portuguesa de outrora em Macau. Constitui, hoje em dia, um palco de categoria muito caracterizado para actividades artísticas e culturais de toda a comunidade, e um dos mais antigos edifícios a testemunhar o desenvolvimento da arte performativa de Macau.

Património Cultural Intangível de Macau

A integração harmoniosa das culturas chinesa e ocidental em Macau deu origem a especificidades culturais que se foram acumulando e formando um vasto e variado leque de manifestações de património cultural intangível. Em 2021, foram inclusos 70 itens de Macau no Inventário do Património Cultural Intangível, 12 dos quais foram inscritos na Lista do Património Cultural Intangível. Além disso, foram ainda inscritos 11 itens de Macau na Lista Nacional de Manifestações Representativas do Património Cultural Intangível da China, incluindo: Ópera Yueju (Ópera Cantonense), Preparação do Chá de Ervas, Escultura de Imagens Sagradas em Madeira, Naamyam Cantonense (Canções Narrativas), Música Ritual Taoista, Festival do Dragão Embriagado, Crença e Costumes de A-Má, Crença e Costumes de Na Tcha, Gastronomia Macaense, Teatro em Patuá e Crença e Costumes de Tou Tei. A fim de reforçar a salvaguarda do património cultural intangível, o Governo da RAEM, durante a elaboração da Lei n.º 11/2013 (Lei de Salvaguarda do Património Cultural), relativa à protecção do património cultural de Macau, incluiu o património cultural intangível como objecto de protecção. Esta Lei dedica um capítulo próprio aos mecanismos de salvaguarda do património cultural intangível de Macau, estabelecendo ainda o âmbito do património cultural intangível, os critérios e procedimentos de inventariação, os casos de salvaguarda urgente e as responsabilidades dos transmissores deste tipo de património, constituindo assim um marco de grande importância para a sua protecção. (Mais informações)

Inventário do Património Cultural Intangível:

  1. Manifestações no âmbito da Expressões Artísticas e Itens de Carácter Performativo
Ópera Yueju (Ópera Cantonense)Naamyam Cantonense (Canções Narrativas)Música Ritual Taoista
Teatro em PatuáDança do LeãoDança do Dragão
Canções da Água SalgadaPercussão BaatyamDança Folclórica Portuguesa

2. Manifestações no âmbito das Práticas Sociais e Religiosas, Rituais e Eventos Festivos

Festival do Dragão EmbriagadoCrença e Costumes de A-MáCrença e Costumes de Na Tcha
Crença e Costumes de Tou TeiCrença e Costumes de Chu Tai SinProcissão de Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos
Procissão de Nossa Senhora de FátimaProcissão do Senhor MortoProcissão de Santo António
Arraial de S. JoãoProcissão de S. RoqueFesta de S. Martinho
Festa da Imaculada ConceiçãoFestival da PrimaveraFestival das Lanternas
Oferenda de Sacrifícios ao Tigre Branco no Dia do Despertar dos InsectosCheng Ming (Dia de Finados)Tung Ng (Festival de Barcos-Dragão)
Regata de Barcos-DragãoQixi (Festa das Raparigas Solteiras)Yu Lan (Festa dos Espíritos Esfomeados)
Chong Chao (Festival do Bolo Lunar)Chong Yeong (Cultos dos Antespassados)Festividades do Solstício de Inverno
Celebrações de Seak Kam TongAbertura da Tesouraria de Kun IamCelebrações de Tai Wong
Celebrações de Pao KungFestividades de Kun IamCelebrações de Pak Tai
Festividades do Dia do BudaCelebrações de Tam KongCelebrações de Sin Fong
Celebrações de Lou PanCelebrações de Kuan TaiCelebrações de Hong Chan Kan
Celebrações de Va Kong

3. Manifestações no âmbito dos Conhecimentos e Práticas relativos à Natureza e ao Universo

Artes Marciais de Tai ChiArtes Marciais de Wing ChunArtes Marciais de Choi Lei Fai

3. Manifestações no âmbito das Práticas e Técnicas Artesanais e Tradicionais

Preparação do Chá de ErvasEscultura de Imagens Sagradas em MadeiraGastronomia Macaense
Arte dos Andaimes de BambuFabrico e Pintura de Azulejos PortuguesesFabrico de Portcelana Cantonense
Microgravura em PorcelanaEscultura de Figuras em MassaFabrico de Pivetes
Carpintaria Seong KáConfecção do Cheongsam ChinêsConfecção de Vestidos de Casamento Chineses
Confecção de Pastéis de NataConfecção de Doces de Barba de DragãoConfecção de Pastelaria Chinesa
Confecção de Biscoitos de AmêndoaConfecção de Bolos de Casamento Tradicional ChinêsConfecção de Molhos Tradicionais Chineses
Confecção de Frutas em ConservaGastronomia Macaense – Confecção do AluáConfecção de Massas de Jook-Sing

Instalações museológicas

Os espaços de museu e cultura subordinados ao Departamento de Museus abrangem museus e locais de exposição de diversas naturezas, em termos de museus, história, cultura, arte, personalidades, profissões tradicionais e religiões, são alguns dos demais temas compreendidos, como é o caso do Museu de Macau, o Museu de Arte de Macau, o Museu da História da Taipa e Coloane, o Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania de Macau, o Museu Memorial de Zheng Guanying, o Museu Memorial de Xian Xinghai, a Antiga Farmácia Chong Sai, a Antiga Residência do General Ye Ting e a Casa de Penhores Tak Seng On, enquanto locais de exposição servem principalmente a exposições de artes audiovisuais, como é o caso da Galeria Tap Siac, as Oficinas Navais N.º 1, as Vivendas de Mong-Há, o Acesso à Fortaleza do Monte, e o Antigo Estábulo Municipal de Gado Bovino, entre outros.

Museu de Macau

Inaugurado em 18 de Abril de 1998, o Museu de Macau é um espaço que nos revela a história e a multiplicidade cultural de Macau. Com as suas ricas e profundas conotações históricas e culturais, as exposições do museu mostram-nos as mudanças históricas de Macau ao longo dos séculos. O Museu é composto por três andares: dois níveis subterrâneos e um terceiro localizado na plataforma superior da Fortaleza onde se encontravam instalados os antigos Serviços Meteorológicos e Geofísicos. Desta forma, a arquitectura e configuração especiais da Fortaleza foram mantidas e preservadas ao máximo. A zona de exposição localizada no primeiro andar do museu apresenta o desenvolvimento das culturas chinesa e ocidental antes da chegada dos Portugueses a Macau no século XVI, assim como os primórdios da história de Macau, os contactos comerciais, religiosos e culturais entre chineses e portugueses em Macau, assim como a gradual formação da cultura de Macau durante os séculos subsequentes. O segundo andar mostra-nos diferentes aspectos da cultura tradicional e arte popular de Macau, reproduzindo cenas do quotidiano dos residentes, com destaque para o lazer e o entretenimento, as cerimónias religiosas e as festas populares. Já a zona de exposição do terceiro andar revela-nos o panorama urbano de Macau e as características da vida actual, para além de apresentar obras literárias e artísticas relativas a Macau.

Museu de Arte de Macau

O Museu de Arte de Macau (MAM) foi criado a 19 de Março de 1999 e ocupa uma superfície total de 10 192 metros quadrados, dos quais mais de 4 000 são espaços de exposição. É o maior  Museu na Região Administrativa Especial de Macau, dedicado inteiramente à Arte. O edifício do MAM é composto por cinco pisos que oferecem diferentes áreas de exposição. Nas duas salas de exposição temática do quarto piso, a enorme vitrina existente é utilizada essencialmente para exposição de artefactos diversos e obras de caligrafia e pintura. No seu terceiro piso, são três as salas que se dedicam à exposição das colecções do MAM e dos trabalhos de artistas locais. A ampla galeria no segundo piso é principalmente usada para exibir artefactos modernos e contemporâneos, assim como artes ocidentais. O primeiro piso do edifício dispõe de uma área de exposição no átrio, a recepção, a loja do Museu, a Loja Cultural e Criativa do Museu do Palácio Proibido e um auditório. Por fim, no seu piso térreo, encontra-se instalado um espaço para oficinas destinado ao desenvolvimento de actividades artísticas e trabalhos de promoção e educação.

Actualmente, o MAM conta com um acervo de mais de 16 000 peças de arte provenientes sobretudo das colecções de "Pintura e Caligrafia de Guangdong", "Quadros Históricos", "Cerâmicas de Shiwan", "Imagens Vídeo e Fotografias de Macau", "Arte de Macau" e "Performance Arte". À parte das exposições regulares das suas colecções, o MAM organiza periodicamente, em cooperação com as instituições culturais e expositoras do Interior da China e de outros países e regiões, exposições colectivas que apresentam artes e culturas distintas de outras partes do mundo e de diferentes eras.

Além disso, o MAM é ainda responsável pela curadoria de exposições de artistas locais com diferentes conceitos, assim como pela participação, em representação da RAEM da China, na Exposição Internacional de Arte La Biennale di Venezia, desde 2007, promovendo os artistas de Macau e os seus trabalhos na linha de vanguarda da arte contemporânea.

Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania de Macau

O Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania de Macau situa-se precisamente no local em que decorreu a cerimónia de transferência de soberania entre os Governos da China e de Portugal, a 20 de Dezembro de 1999. Quando o Pavilhão da Transição foi desmontado, a zona tornou-se parte do Centro Cultural de Macau. O Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania de Macau começou a ser construído em Março de 2003 e ficou concluído em Outubro de 2004, tendo sido inaugurado em Dezembro de 2004. O principal objectivo deste novo Museu é comemorar o evento secular do retorno de Macau à Pátria.

O principal espaço expositivo apresenta as diferentes ofertas do Conselho de Estado da República Popular da China, de todas as províncias, municípios e regiões autónomas do país e da Região Administrativa Especial de Hong Kong. Além disso, a "Base da Educação do Amor pela Pátria e por Macau para Jovens" foi estabelecida em 2020 e administrada pela Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude.

Academia Jao Tsung-I

A Academia foi criada pelo Instituto Cultural em 2015, com o objectivo de dar a conhecer ao público os feitos académicos e artísticos do Prof. Jao Tsung-I, de promover e divulgar a arte e cultura chinesa e encorajar o intercâmbio académico em matéria de estudos sobre a China. A Academia possui duas salas de exposições: uma no rés-do-chão e outra no primeiro andar, uma biblioteca e um auditório, este pode ser utilizado para a realização de exposições, palestras e workshops, etc. O conjunto arquitectónico composto pela Academia Jao Tsung-I, pela Galeria Tap Siac e pelas construções circundantes pertencentes à mesma época foi avaliado com a categoria de “Conjuntos” nos bens imóveis classificados de Macau.

Casas da Taipa

As Casas-Museu da Taipa, constituídas por cinco moradias de estilo tipicamente português, construídas em 1921, serviram, no decurso do tempo, de residência a individualidades que desempenharam altos cargos nos antigos serviços públicos e a famílias macaenses. Actualmente, os cinco edifícios foram transformados em “Museu Vivo Macaense”, “Galeria de Exposições”, “Casa Criativa”, “Casa de Nostalgia” e “Casa de Recepções”, de poente para nascente, respectivamente. Este projecto converteu o local numa combinação de exposições caracterizadas, espectáculos ao ar livre e actividades comemorativas e festivas, fazendo do mesmo um palco de exibição não apenas da cultura dos países de língua portuguesa, mas de culturas de todo o mundo.

Museu Memorial de Xian Xinghai

Em homenagem ao músico de origem modesta nascido em Macau, Xian Xinghai, o Governo da Região Administrativa Especial de Macau estabeleceu o Museu Memorial de Xian Xinghai, com o intuito de divulgar a sua história de vida e sobretudo promover as suas realizações musicais. O Museu Memorial, situado na Rua de Francisco Xavier Pereira n.ºs 151-153, foi inaugurado a 23 de Novembro de 2019 e em Setembro de 2020, incluído no terceiro grupo de construções e locais classificados como memoriais da Guerra de Resistência contra a Agressão Japonesa a nível nacional.

Pátio da Eterna Felicidade

O Pátio da Eterna Felicidade, igualmente designado de “Beco da Eterna Celebração”, situa-se no sopé poente do Monte do Forte, junto das Ruínas de São Paulo e da Freguesia de Santo António. Devido ao facto de a sua construção se adaptar ao declive da encosta do Monte, o conjunto edificado habitacional do Pátio da Eterna Felicidade oferece um cenário urbano único originado pela sua constante alteração de cotas. No seu interior, as residências tradicionalmente chinesas com um estilo uniforme constituem, através da sua disparidade de cotas e vivência comunitária dos seus moradores, uma comunidade chinesa de características singulares que se encontra isolada da turbulência do mundo exterior. O Pátio da Eterna Felicidade, com estas características distintas de um pátio, é o espaço desta natureza em melhor estado de preservação e o maior de Macau. Na década de quarenta do Século XX, Hip Lu San doou as residências da sua propriedade no Pátio à Associação de Beneficência do Hospital Kiang Wu para acções de beneficência, mais de meio século depois, em 2019, as 13 residências do Pátio foram doadas ao Governo da RAEM pela Associação, como forma de manifestar o desejo de preservar e transmitir o valor cultural desta vivência comunitária e diversificada. Hoje em dia, o Pátio serve essencialmente como espaço para exposições e espectáculos artísticos e culturais.

Vila de Nossa Senhora de Ká-Hó

A Vila de Nossa Senhora de Ká-Hó é o único património da Antiga Leprosaria preservado até aos dias de hoje. Foi aqui que em 1885 o governo português de Macau estabeleceu um local para tratar de leprosos, originalmente composto apenas por duas casas de tijolo com condições precárias. Na década de trinta do século passado, a Leprosaria foi expandida com a construção de um total de cinco residências e a Capela de Nossa Senhora das Dores. Posteriormente, foram erguidas mais construções em função das necessidades concretas da época. Em 1966, a Igreja de Nossa Senhora das Dores foi construída, em substituição da Capela que passou a ser utilizada para actividades recreativas. Em 1963, o missionário italiano Padre Gaetano Nicosia, da Congregação Salesiana, veio para Macau prestar auxílio aos leprosos e decidiu, juntamente com os seus colegas, alterar a designação da leprosaria para “Vila de Nossa Senhora”, promovendo a bênção da Virgem Maria. Hoje em dia, a Vila de Nossa Senhora dispõe de um centro de actividades, uma pequena exposição de apresentação sobre a história da Vila de Nossa Senhora de Ká-Hó, bem como uma galeria e um café geridos por uma associação de serviços sociais que presta assistência a todos os que se encontram em reabilitação e os apoia na sua reinserção social.

Posto do Guarda-Nocturno no Patane

O Posto do Guarda-Nocturno no Patane é o único posto antigo deste tipo ainda existente em Macau. A fim de preservar a história e a cultura locais de Macau e de promover o valor tradicional da assistência mútua que vigorava na comunidade chinesa de outrora, o Instituto Cultural e a Associação de Piedade e de Beneficência Tou Tei Mio do Patane colaboraram na revitalização do Posto do Guarda-Nocturno no Patane, onde foi instalada uma exposição sobre a história dos guardas-nocturnos de Macau e sobre a cultura da comunidade chinesa no passado. A exposição abriu oficialmente ao público no dia 18 de Dezembro de 2015.

Sala de Exposições do Templo de Na Tcha

A crença e os costumes de Na Tcha de Macau têm uma longa história, tendo sido inscritos, em 2014, na Lista Nacional de Manifestações Representativas do Património Cultural Intangível da China. Em 2012, com o objectivo de promover e divulgar a crença e os costumes de Na Tcha, foi construída, junto ao Templo de Na Tcha, localizado na parte posterior das Ruínas de S. Paulo, a “Sala de Exposições do Templo de Na Tcha”, que é um espaço cultural dedicado à apresentação da crença e dos costumes de Na Tcha, através da exposição de objectos e documentos importantes relacionados com os mesmos.

Museu Marítimo

O Museu Marítimo foi inaugurado oficialmente em 1987. Nessa altura, o Museu estava instalado numa residência de dois pisos, pintada de verde, próxima do Templo A-Má. Desde a sua inauguração, o número de visitantes aumentou consideravelmente de dia para dia, bem como o seu acervo museológico, pelo que se tornou necessário ampliar as suas instalações de exposição. Em Junho de 1990, foi então inaugurado e entrou em funcionamento o novo edifício de exposições, localizado no mesmo Largo onde se situa o Templo A-Má e o antigo edifício do Museu, que se transformou em Edifício Administrativo.

A fachada principal do Museu tem uma forma arquitectónica bastante invulgar, que se parece com um navio quando visto de longe. O edifício do Museu é composto por 3 pisos. Os principais temas da exposição focam as actividades marítimas de Macau, da China e de Portugal, mostrando a transformação de Macau, bem como os êxitos notáveis da história dos transportes marítimos da China e de Portugal, confirmando a importância do mar na cultura da humanidade.

Eventos culturais e artísticos

Arte Macau

O evento Arte Macau, realizado pela primeira vez em 2019,  realiza-se de dois em dois anos. É considerado como uma marca de turismo cultural criada em conjunto pelo Governo e por empresas para imprimir a toda a cidade uma atmosfera festiva, promovendo o intercâmbio e a cooperação cultural a nível internacional e o desenvolvimento das artes locais. O evento Arte Macau continuará a incentivar os talentos de Macau, tanto os que estão em Macau como os que estão no estrangeiro, a investirem activamente na criação artística, a estimular as empresas a comprar obras locais, e a construir uma plataforma de desenvolvimento rumo à internacionalização quer para o empreendimento cultural, quer para a indústria cultural de Macau.

Festival de Artes de Macau

O Festival de Artes de Macau foi fundado em 1988 e, desde então, é no início do Verão que se marca o arranque da temporada artística em Macau. O Festival decorre ao longo de um mês, oferece muitos espectáculos cativantes e maravilhosos, incluindo teatro, dança, espectáculos família e artes performativas de multimédia, a apresentar por grupos artistas de topo locais, regionais e internacionais de todo o mundo. Há, também, inúmeras actividades estendidas, incluindo workshops, masterclasses, serviços de acessibilidade e projecção de filmes, no sentido de levar a arte para a vida do dia a dia da população.

Festival Internacional de Música de Macau

O Festival Internacional de Música de Macau realiza-se desde 1987, ao longo do mês de Outubro, proporcionando aos artistas musicais locais oportunidade de exibição do talento, ao mesmo tempo de introduzir obras musicais de renome do mundo inteiro. Os programas têm um leque enorme de variedades, desde a ópera clássica, sinfonia, música de câmara, música vocal e música chinesa, ao jazz, à música latino-americana e à música de vanguarda, pelo que o Festival de Música oferece uma programação musical rica e fascinante de alta gama, proporcionando aos residentes e visitantes de Macau espectáculos de alta qualidade e diversificados.

Encontro em Macau - Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa

O Encontro em Macau - Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa teve início em 2018 e se estabeleceu o mecanismo de intercâmbio cultural e artístico entre a China e os Países de Língua Portuguesa em Macau, no intuito de concretizar os trabalhos de construção do Centro de Intercâmbio no Domínio da Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa. As actividades do programa incluem espectáculos de música e dança tradicionais chineses e dos países de língua portuguesa, o Festival de Cinema entre a China e os Países de Língua Portuguesa e a Exposição Anual de Artes entre a China e os Países de Língua Portuguesa, entre outras.

Desfile Internacional de Macau

O Desfile Internacional de Macau é uma das marcas culturais relevantes de Macau. Desde 2011, realiza-se em Dezembro no sentido de celebrar a grande data de retorno de Macau à Pátria. O Desfile apela equipas de espectáculos de todo o mundo e os artistas locais a conduzirem os residentes e visitantes de Macau numa aventura de pesquisa nos sítios muito afamados da cidade, a percorrer as ruas e  becos no âmbito do “Centro Histórico de Macau”, cantando e dançando pelo caminho, partilhando a alegria com os espectadores,  demonstrando as cores culturais singulares de Macau e a atmosfera da integração cultural da cidade.

Hush! Concerto na Praia

Hush! Concerto na Praia realiza-se na Praia de Hac Sá, ou em vários bairros comunitários de Macau. Cantores e bandas musicais de Macau e de muitas localidades da Ásia são convidados a vir a apresentar diferentes tipos de música. Trata-se de um evento anual do sector da música popular de Macau, pelo que se considera uma importante marca de eventos culturais de Macau.

Festival Fringe da Cidade de Macau

O Festival Fringe da Cidade de Macau ousa sempre actuar em espaços não convencionais, introduzindo criações artísticas de formatos diversos em diferentes locais da cidade, a fim de encorajar a participação de produtores e artistas, bem como um envolvimento mais profundo do público em geral, na qualidade de fornecedor do local de actuação, por forma a implementar o conceito de “Todos ao redor da cidade, os nossos palcos, os nossos espectadores, os nossos artistas”.

Orquestras profissionais

A Orquestra de Macau

A Orquestra de Macau é uma orquestra profissional subordinada ao Instituto Cultural do Governo da R.A.E de Macau, um agrupamento eminente na Ásia, com um repertório que inclui clássicos chineses e ocidentais de todos os tempos, revelando as características das culturais orientais e ocidentais.

Em 1983, o Padre Áureo de Castro da Academia de Música S. Pio X e um grupo de melómanos fundaram a Orquestra de Câmara de Macau. Esta tornou-se uma orquestra de duplos sopros em 2001, sendo denominada “Orquestra de Macau”. Hoje em dia, evoluiu-se como uma orquestra de média dimensão, com cerca de 50 talentosos músicos, provenientes de mais de 10 países e regiões. Em 2008, o Maestro Lu Jia assumiu as funções de Director Musical e Maestro Principal da Orquestra e dirige os músicos a apresentarem espectáculos nas respectivas épocas intituladas “Temporada de Concertos”. Na cada temporada de concertos, concretizam-se mais de 90 sessões de concertos de várias séries temáticas e demais actividades de extensão, procurando apresentar aos espectadores, de forma abrangente e diversificada, programas musicais de renome internacional, antigos ou modernos, chineses ou estrangeiros.

A Orquestra Chinesa de Macau

A Orquestra Chinesa de Macau, fundada em 1987, é uma orquestra profissional subordinada ao Instituto Cultural do Governo da RAE de Macau.

A Orquestra Chinesa de Macau tem-se empenhado para promover a educação de artes, divulgação de artes e aproximação pelas artes junto nos bairros comunitários e nas escolas; participar activamente em eventos celebres locais, tais como o Festival Internacional de Música de Macau, o Festival de Artes de Macau e a Celebração do Aniversário da Transferência de Macau para a China; auxiliar instituições cívicas, formar músicos jovens e promover o desenvolvimento da música chinesa local; levar os espectáculos musicais aos locais pitorescos classificados de Património Mundial, museus, bibliotecas e parques, enriquecer a vida cultural da cidade e estimular um maior interesse pela música dos bairros comunitários.

Na revelação das características das culturas chinesas e ocidentais de Macau, a Orquestra Chinesa de Macau tem actuado com o papel de  Embaixador Cultural do Governo da RAEM no exterior, e promove a construção da cultura local de Macau no interior, insistindo em construir Macau como uma cidade de sustentabilidade cultural. A Orquestra Chinesa de Macau fez digressões em Portugal, Bélgica, Índia, Goa, Singapura, Reino do Bahrein, e cerca de 20 município de províncias do Interior da China e grandes cidades como Pequim, Xangai, Tianjin e Chongqing. É através da integração de elementos chineses e ocidentais e da arte da música chinesa com vigor contemporâneo que a Orquestra pretende potenciar o intercâmbio e a cooperação e promover a imagem cultural da integração de elementos chineses e ocidentais de Macau. Os tais trabalhos têm sido amplamente reconhecidos e elogiados.

Actividades da cultura criativa e instalações

Feira de Artesanato do Tap Siac

Realizada na Primavera e no Outono de todos os anos, desde 2008, a Feira de Artesanato do Tap Siac tem vindo a servir como uma plataforma para a promoção e a comercialização dos trabalhos dos profissionais de artes culturais e criativas, sendo considerada, hoje em dia, uma das feiras mais representativas de Macau a esse nível. A feira, além de proporcionar bancas aos artistas culturais e criativos provenientes de diferentes regiões, para exporem e promoverem os seus trabalhos entre residentes e turistas, também oferece diversos workshops artesanais, leccionados por instrutores especializados vindos de várias regiões, para o público participante experienciar o prazer da criação. Enquanto isso, os vários espectáculos musicais programados no recinto atribuem uma maior animação e festividade ao ambiente.

Cinemateca ∙ Paixão

Estabelecida em 2017, a Cinemateca ∙ Paixão tem o propósito de servir como uma plataforma de intercâmbio e interacção entre o público geral e os cineastas, mas sobretudo como uma agente promotora de trabalhos cinematográficos locais. O espaço é uma fonte que cultiva, simultaneamente, o sentido artístico da população e dos apaixonantes de cinema de Macau, e onde tanto o público local como os turistas têm a oportunidade de desfrutar de mais filmes de óptima qualidade, produzidos em diferentes regiões do mundo. A Cinemateca ∙ Paixão está instalada num edifício multifuncional de três andares, que oferece espaços para a projecção de filmes, o armazenamento de vídeos locais, a exposição temática e a leitura de livros de cinematografia. Encontram-se no estabelecimento a bilheteira, a sala de projecção e a sala de controlo, enquanto, no primeiro piso, está a sala de documentação cinematográfica, onde estão arquivados filmes e vídeos locais, livros, revistas e periódicos cinematográficos, entre outros materiais, disponíveis para consulta pública. O edifício ainda dispõe de espaços para a realização de actividades de exposição com diferentes temas.

Galeria de Moda de Macau

Estabelecida em 2012, com o intuito de exibição e comércio de vestuário, a Galeria de Moda de Macau já se tornou, hoje em dia, o principal espaço de moda que promove e comercializa vestuário e conceitos de moda original de Macau. Nesse sentido, o objectivo passa por criar uma imagem profissional das marcas de moda locais e contribuir para a formação de um ambiente artístico e criativo na região, servindo de uma plataforma de intercâmbio e interacção entre o público e os designers de moda.

Com a realização regular de exposições, lojas “pop up”, seminários, workshops e outras actividades, a Galeria de Moda de Macau tem atraído o interesse de muitos visitantes de várias regiões.

Anim’Arte NAM VAN

Inaugurado em 2016, e sob a gestão conjunta do Instituto Cultural, do Instituto do Desporto, da Direcção dos Serviços de Turismo e do Instituto de Formação Turística de Macau, o projecto Anim’Arte NAM VAN, ao transformar a Praça do Lago Nam Van num local de lazer com qualidades particulares, que combina instalações recreativas aquáticas com gastronomia típica e produtos comerciais de arte cultural e criativa, procura oferecer aos residentes e visitantes  um conjunto diversificado de serviços e experiências de lazer, enriquecendo a oferta de produtos de turismo cultural em Macau.

Com o objectivo de fomentar o ambiente artístico e cultural da zona circundante do local  e aperfeiçoar as instalações estéticas do Lago Nam Van, o Instituto Cultural tem vindo a convidar os artistas locais e estrangeiros de graffiti a elaborar e deixar o seu trabalho na Área de Exposição de Graffiti.

Loja-C da Praia Grande

Enquanto uma plataforma de exposição, promoção e comercialização de produtos artísticos e culturais de Macau, desde 2012, a Loja-C da Praia Grande, tem oferecido espaço e condições para a agregação da indústria e a promoção comercial integrada das suas marcas. O uso do espaço da Loja-C é determinado de acordo com o resultado de um concurso público realizado pelo Instituto Cultural. A partir de 2021, a Cloé Jewelry Concept Store tem sido a empresa responsável pela gestão do espaço, que foi transformado numa loja conceptual única, que alia a venda de acessórios e joalharia originais de Macau com serviço de café.

Planos de publicação de livros, arquivo, bibliotecas e promoção de leitura

Publicações do Instituto Cultural

O Instituto Cultural do Governo da Região Administrativa Especial de Macau dá continuidade à publicação de livros e periódicos relacionados com a literatura, a história e as artes de Macau, tais como a Revista de Cultura e a Coleção Cultura de Macau, entre outras. Organiza, igualmente, várias actividades académicas, tais como as Palestras de Mestres de Cultura e a Série de Palestras Culturais no âmbito “Uma Faixa, Uma Rota”. Ao mesmo tempo, e em colaboração com os sectores profissionais locais, participa em várias feiras de livros, a fim de promover efectivamente as publicações de Macau no mundo e assim construir uma marca cultural. (Mais informações)

Livraria Online do Instituto Cultural

Em Setembro de 2020, o Instituto Cultural do Governo da Região Administrativa Especial de Macau lançou a Livraria Online para promover a leitura e expandir a venda das publicações para os leitores locais e também para um público mais alargado. Presentemente, encontram-se cerca de 350 publicações disponíveis para aquisição. Para os leitores que residem fora de Macau, a Livraria Online utiliza o serviço de correio rápido (EMS) para entrega que fica a cargo dos CTT. No que respeita aos leitores locais, a entrega dos livros é efectuada em qualquer das 14 bibliotecas públicas do Instituto Cultural. (Mais informações)

Arquivo de Macau

O Arquivo de Macau é o arquivo geral desta região. As principais tarefas são a recolha, tratamento, preservação e conservação do acervo arquivístico com valor histórico para a utilização do público. Actualmente, as suas unidades arquivísticas são constituídas por mais de 60 000 processos, 70 000 imagens, assim como mais de 10 000 volumes de livros e outras publicações, cujo suporte principal é em papel. O mais antigo documento remonta a 1630.

o Arquivo de Macau recebe a transferência de valiosos registos dos departamentos governamentais, assim como doação de arquivos de associações e indivíduos particulares. Na sua página electrónica disponibilizam-se já os serviços da pesquisa do directório de colecção de arquivos e da produção de imagens digitais das colecções.

Biblioteca Pública de Macau

A Biblioteca Pública de Macau, subordinada ao Departamento de Gestão de Bibliotecas Públicas do Instituto Cultural, foi criada em 1895, e é composta por 16 bibliotecas públicas, 1 Biblioteca de Livros Ocidentais Raros em Macau e a Agência do ISBN de Macau. A Biblioteca Pública de Macau disponibiliza para empréstimo mais de um milhão de materiais em suporte de papel ou electrónico, entre eles destacam-se livros, jornais, periódicos, artigos bibliográficos, materiais audiovisuais e vários outros recursos electrónicos, com a cobertura de diversas áreas temáticas, procurando satisfazer as necessidades do público geral em termos da obtenção de conhecimentos nas áreas sociais, educacionais, informativas ou de lazer. Tendo em conta as características de diferentes coleções e estilos de ambiente das diversas bibliotecas, a Biblioteca Pública de Macau tem organizado numerosas actividades promocionais de leitura para a participação gratuita dos cidadãos, inclusivamente: palestras, workshops, sessões de leitura, cursos, exposições exposições de divulgação ao exterior. Com estas actividades diversificadas, pretende-se incentivar os residentes a fazer bom uso dos recursos bibliográficos, enriquecer a sua vida cultural e promover a sua ligação com os bairros comunitários, e ao mesmo tempo, divulgar os recursos e serviços bibliotecários, desenvolver o interesse pela leitura dos residentes de diferentes faixas etárias. Para que haja uma maior interacção cultural na Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, bem como fomenta e apela pelo bom aproveitamento dos recursos culturais entre Guangdong e Macau, e também para estimular intercâmbio e cooperação entre os profissionais do sector bibliotecário, a Biblioteca Pública de Macau tem co-organizado exposições culturais e actividades de leitura com as bibliotecas públicas da Grande Baía, sempre com o intuito de aumentar a atractividade e impactos das actividades de extensão da leitura junto dos residentes e a divulgação conjunta de um melhor ambiente de leitura na Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

Transmissão cultural

Conservatório de Macau

O Conservatório de Macau, criado em 1989, é um organismo dependente do Instituto Cultural da RAEM e constituído pela Escola de Dança, Escola de Música e Escola de Teatro. Tem como principal objectivo “promover a profissionalização e a generalização artística, fomentar a harmonia entre a vida e a arte”, sendo o seu lema “respeitar a arte, manter a beleza, ser elegante e aperfeiçoar o bom”. Procura melhorar a qualidade cultural e humanística dos residentes de Macau mediante a realização de cursos de dança, música e teatro, que sejam sistemáticos, regulares e contínuos; a par disso, é através da criação dos cursos de ensino secundário em regime diurno nas áreas de dança, música e teatro, que procura formar talentos de apresentação artística que sejam formados com conhecimentos profissionais e criatividade de Macau.

Programa Embaixadores Culturais

A fim de reforçar os conhecimentos dos residentes de Macau sobre as tradições chinesas e a cultura local, bem como o seu orgulho e sentido de pertença, dinamizar o dinamismo e a inovação de talentos, dar a conhecer melhor ao público os trabalhos culturais de Macau, aperfeiçoar o seu sentido estético e as técnicas de promoção cultural, o Instituto Cultural tem promovido, desde 2019, o Programa Embaixadores Culturais, que, através da organização de uma série de cursos de formação experimentais de diferentes naturezas, pretende cultivar agentes promotores de cultura nas comunidades, divulgando, em conjunto com a população, conhecimentos culturais de Macau e conceitos humanísticos. O “Programa Embaixadores Culturais” tem como destinatários todos os residentes de Macau com idade igual ou superior a 18 anos, com paixão pela cultura e pelas artes e entusiasmo pela promoção e transmissão cultural. Após a conclusão dos cursos de formação experimentais, os formandos poderão, tendo em conta os interesses, talentos, experiência e influência pessoais, e com base no proveito retirado do curso e na aplicação de conceitos inovadores e criativos na prática de promoção cultural, organizar o “Projecto Pioneiros”, direccionado à participação pública, cuja forma de realização pode variar entre visitas guiadas, workshops, palestras, espectáculos de flash-mob ou teatro interactivo, entre outras, contribuindo, desta forma, para promover a imagem cultural de Macau, apresentar actividades de promoção e transmissão cultural, e consolidar o conhecimento da população sobre as tradições chinesas e a cultura de Macau. Após a sua conclusão do programa, os formandos tornar-se-ão oficialmente “embaixadores culturais” e cumprirão a sua parte na missão de “participação de todos no incentivo e promoção cultural”, através da aplicação dos conhecimentos aprendidos e da experiência retida na vida quotidiana e em trabalhos futuros de promoção cultural.

Mês da Promoção Cultural

Com o objectivo de aumentar a compreensão dos residentes sobre os conceitos de promoção cultural e incentivar mais pessoas a transmitir e divulgar a cultura, o Instituto Cultural organiza o “Mês da Promoção Cultural”, com programas em destaque e uma série de actividades seleccionadas, encurtando a distância com residentes, transmitindo-lhes o conceito em causa, inserindo-se nas comunidades, interligando-se com a sua vida e vivenciando a cultura quotidiana. O “Mês da Promoção Cultural” convida todos os residentes a participar nas actividades disponibilizadas nesta jornada de beleza.

Programa de Estágios Juvenis no Museu do Palácio de Pequim

Enquanto uma iniciativa organizada em cooperação entre o Instituto Cultural, o Gabinete para os Assuntos Internos do Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong e a Federação da Juventude de da Província de Guangdong desde 2018, o “Programa de Estágios Juvenis no Museu do Palácio” visa, através de um processo de selecção, recrutar anualmente um grupo de 16 elementos composto por estudantes de Macau que se encontrem a frequentar instituições de ensino superior no Interior da China, em Macau ou no estrangeiro, jovens provenientes da Região Administrativa Especial de Hong Kong e Província de Guangdong, para participar no estágio de seis semanas a decorrer no Museu do Palácio de Pequim. Este estágio tem como objectivo principal de oferecer aos participantes uma oportunidade de vivenciar presencialmente o desenvolvimento de trabalhos de diferentes especialidades num museu nacional de primeira categoria, uma experiência pessoal que é complementada com outras actividades como visitas a exposições especiais e privadas do Palácio, visitas a pontos de interesse cultural mais populares de Pequim e participação em eventos culturais. O Programa procura, através desta valiosa oportunidade de aprendizagem proporcionada aos jovens de Macau, potenciar as suas capacidades especializadas e enriquecer as suas experiências profissionais, promovendo, desta forma, um contributo contínuo dos jovens na difusão da cultura de Macau e um maior intercâmbio e cooperação entre os jovens de Macau, Hong Kong e Guangdong. Desde a sua inauguração, a iniciativa é amplamente valorizada pela sociedade, uma vez que através da participação no estágio, os jovens obtêm resultados frutíferos, traduzidos na consolidação do seu conhecimento sobre a história profundamente sedimentada do Museu do Palácio de Pequim durante os seus seis séculos de existência, na percepção da magnitude da cultura chinesa e da importância do seu valor hereditário.

Concurso para Jovens Músicos de Macau

O Concurso para Jovens Músicos de Macau visa promover o desenvolvimento da música clássica local e proporcionar uma valiosa plataforma de actuação e oportunidades de aprendizagem aos jovens locais. As edições em anos ímpares são dedicadas à categoria de piano e as edições em anos pares às categorias de música chinesa, ocidental e vocal. O evento oferece ainda bolsas de estudo para incentivar os potenciais talentos a estudar no exterior. Desde o seu início em 1983, o Concurso para Jovens Músicos de Macau tornou-se o mais reconhecido evento de música de Macau.

Programa de Formação de Pequenos Guias do Património Cultural de Macau e Programa de Formação Prática de Pequenos Guias do Património Cultural de Macau

A fim de promover a divulgação e educação sobre o património mundial de Macau junto dos jovens, o Instituto Cultural organiza anualmente, desde 2016, o “Programa de Formação de Pequenos Guias do Património Cultural de Macau”, o qual decorre de Julho a Agosto anualmente, com vista a dar a conhecer a história, o valor e a importância da salvaguarda dos sítios do património mundial de Macau aos jovens, incentivando-lhes  a explorar a história de Macau e a preservar a cultura da cidade. Em 2017, com base no “Programa de Formação de Pequenos Guias”, foi lançado o “Programa de Formação Prática de Pequenos Guias do Património Cultural de Macau”, permitindo aos pequenos guias que concluíram a primeira fase de formação utilizar os conhecimentos adquiridos para organizar visitas guiadas destinadas aos residentes de Macau e a visitantes de todo o mundo. Ambos os programas visam assim cultivar nos jovens um espírito de missão na preservação e divulgação da cultura e do património.

Programa de Formação de Pequenos Guias do Património Cultural de Macau e Programa de Formação Prática de Pequenos Guias do Património Cultural de Macau

A fim de promover a divulgação e educação sobre o património mundial de Macau junto dos jovens, o Instituto Cultural organiza anualmente, desde 2016, o “Programa de Formação de Pequenos Guias do Património Cultural de Macau”, o qual decorre de Julho a Agosto anualmente, com vista a dar a conhecer a história, o valor e a importância da salvaguarda dos sítios do património mundial de Macau aos jovens, incentivando-lhes  a explorar a história de Macau e a preservar a cultura da cidade. Em 2017, com base no “Programa de Formação de Pequenos Guias”, foi lançado o “Programa de Formação Prática de Pequenos Guias do Património Cultural de Macau”, permitindo aos pequenos guias que concluíram a primeira fase de formação utilizar os conhecimentos adquiridos para organizar visitas guiadas destinadas aos residentes de Macau e a visitantes de todo o mundo. Ambos os programas visam assim cultivar nos jovens um espírito de missão na preservação e divulgação da cultura e do património.

Espectáculos no âmbito da Excursão Cultural Profunda pelo Porto Interior e pela Taipa

A fim de promover e fortalecer a participação do público no desenvolvimento da arte, o Instituto Cultural lançou os "Espectáculos no âmbito da Excursão Cultural Profunda pelo Porto Interior e pela Taipa" em 2020, dando lugar a uma variedade de apresentações e visitas guiadas na zona do Porto Interior, Largo do Pagode da Barra, Feira do Carmo e Casas - Museu da Taipa. Entre as actuações designadas, a área do Largo do Pagode da Barra é dominada pela música chinesa e por actuações culturais tradicionais chinesas, enquanto que na área da Feira do Carmo e nas Casas - Museu da Taipa são dominados por Património Cultural Intangível, música, dança e performances com as características dos países de Língua Portuguesa, através de uma gama diversificada de actuações que se integram com a comunidade, com tendas especiais e sessões interactivas. O Instituto Cultural apresenta também espectáculos de teatro ambiental no Porto Interior e na área das Casas da Taipa, que são criados por grupos artísticos de Macau para se ligarem às eshistórias da comunidade e explorarem a história da comunidade, que incluem dança, visitas guiadas, teatro e marionetas. As visitas guiadas incluem "Em contacto directo com traços em pinturas – viagem profunda pela cultura portuária de Macau", uma visita guiada ao Porto Interior e à Praia Grande com um guia profissional, visitando as colecções do Museu de Macau e do Museu de Arte de Macau, e destacando as exposições relacionadas com as paisagens do Porto Interior e da Praia Grande. A exposição também apresenta um mural desde o Porto Interior à Barra e Armazém de Nam Kuong e uma instalação de arte ao ar livre na Taipa. O Instituto Cultural utiliza a actividade "Espectáculos no âmbito da Excursão Cultural Profunda pelo Porto Interior e pela Taipa" para estreitar a distância entre o público em geral e as artes, permitindo aos turistas e cidadãos vivenciarem diferentes costumes e características culturais bem como sentirem a cor artística da cidade velha.

Instalações de exposição e espectáculos

O Centro Cultural de Macau

O Centro Cultural de Macau inclui um complexo com dois auditórios e um Museu de Arte e Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania. O complexo dos auditórios é constituído por dois espaços para apresentação de espectáculos: O Grande Auditório, com capacidade para 1 076 espectadores (equipado com poço de orquestra) e o Pequeno Auditório com 389 lugares sentados. Para além do fornecimento de espaços para espectáculos, conferências e exposições, o Centro está se esforçando para promover vários tipos de apresentações artísticas e culturais, enriquecendo a atmosfera artística e cultural da cidade e construindo palcos de apresentação artística que se está a tornar cada vez mais espectacular.

Programa de Lançamento de Espaços Artísticos e Culturais

Para responder, de forma activa, às necessidades de utilização de espaços culturais e artísticos da comunidade, o Instituto Cultural (IC) lançou, em 2019, o “Programa de Lançamento de Espaços Artísticos e Culturais”, segundo o qual, o IC procede à integração das funções das existentes instalações culturais subordinadas e ao devido aumento, no sentido de proporcionar demais espaços para a concretização de actividades culturais e artísticas ao uso do público. Neste momento, há no total de 20 instalações culturais e artísticas que contêm 44 espaços disponíveis para serem utilizados por associações e indivíduos particulares locais mediante a apresentação de pedidos de arrendamento e utilização, cujas quatro finalidades abrangem espectáculos, ensaios, exposições e finalidades abrangentes.

Plataformas de informações culturais

Através da página electrónica oficial do Instituto Cultural do Governo da Região Administrativa Especial de Macau, o público pode aceder a informações sobre os serviços culturais fornecidos pelo Instituto Cultural, nomeadamente actividades culturais, espectáculos, exposições, conservação do património, promoção da educação artística, investigação académica, atribuição de subsídios para actividades relacionadas com a cultura e sobre as diversas instalações culturais; além disso, a “Página Electrónica do Património Cultural de Macau” e a “Página Electrónica do Património Mundial de Macau” foram criadas para fornecer informações sobre o património cultural de Macau e o Património Mundial. Além disso, foi criado o “Website das Indústrias Culturais e Criativas de Macau” para fomentar o intercâmbio de informações sobre as indústrias culturais e criativas e para aprofundar os conhecimentos da comunidade sobre as indústrias culturais e criativas e as tendências do seu desenvolvimento. Para divulgar a informação relevante ao público, de uma forma mais prática, o Instituto Cultural abriu várias plataformas em  redes sociais de convívio, incluindo a conta oficial “IC_Art_Macao” no Wechat, a página “IC Art” no Facebook, a conta oficial “artmacao” no Instagram e o canal “IC Macao” no YouTube.

Desporto

Desporto de Macau

Existem, agora, mais de 40 instalações desportivas integradas a Rede das Instalações Desportivas Públicas do Instituto do Desporto, as quais estão amplamente espalhadas e cuja gestão foi devidamente melhorada, a fim de satisfazer as necessidades das mais diversas modalidades desportivas, para além disso, as instalações destinam-se para a organização das diversas actividades do Desporto para Todos, atraindo assim os cidadãos para praticarem mais desporto, de modo a satisfazer todas as suas necessidades desportivas.

Desporto para Todos

O governo da RAEM está empenhado em promover o desenvolvimento do Desporto Para Todos, tendo criado condições para disponibilizar oportunidades de praticar desporto para pessoas de qualquer idade e nível social, enriquecendo constantemente os diferentes elementos do Desporto Para Todos, atraindo a participação activa da população, para promover a saúde física e mental dos cidadãos e estilos de vida saudável ao longo da vida, com tempos livres mais ricos e diversificados, e assim promover a harmonia social. Por outro lado, o governo tem organizado todos os anos e com regularidade, actividades desportivas para todos classes de recreação e manutenção, dando aos residentes a oportunidade de praticarem exercícios físicos sob a orientação de profissionais num ambiente seguro. Para mais informações sobre o Desporto para Todos, visite o calendário de actividades.

Calendário de Desporto para Todos e a página própria no Facebook澳門大眾體育動向Trend On Macau Sport For All

Dia de Desporto para Todos

Para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos de Macau e sensibilizá-los para o conceito “Pratica Desporto, Reforça a Tua Saúde”, os serviços de desporto organizam mensalmente o “Dia de Desporto para Todos” em diferentes zonas da cidade, para estimular a participação em exercícios desportivos e cultivar um estilo de vida de desporto permanente e ao longo da vida.

Desporto e saúde posto de atendimento e informações

Os residentes de Macau gostam de tomar a iniciativa de fazer exercícios físicos, utilizando os equipamentos instalados nos parques e trilhos. Para os cidadãos dominarem a forma e técnica correcta da prática do desporto, evitando que os praticantes sofram lesões, o Instituto do Desporto, aos domingos, criou o “Desporto e saúde posto de atendimento e informação” nos campos desportivos públicos onde as pessoas costumam praticar desporto espontâneo, com o objectivo de lhes prestar informações sobre actividades desportivas, que incluem:

Demonstração e participação em actividades do desporto: em cada actividade desportiva, organizada pelo “Desporto e saúde posto de atendimento e informação”, serão efectuadas uma série de demonstrações feitas por profissionais, e assim, convidamos todos os cidadãos a experimentarem, pessoalmente, as diferentes modalidades desportivas, criando um ambiente divertido e estimulante no qual as pessoas vão desenvolvendo esse hábito saudável de praticar desportos.

Prestação de informação de saúde: os Postos destinam-se a prestar serviços de testes sobre a condição física (incluindo medição da pressão arterial, frequência cardíaca, altura, peso e taxa de gordura corporal, etc.), dando informações sobre saúde e planos profissionais desportivos aos interessados para que possam obter a aptidão física pretendida duma forma mais científica, eficaz e segura.

Prestação de informações sobre as actividades do Desporto Para Todos: daremos aos cidadãos informações sobre as actividades do Desporto Para Todos, incluindo classes de interesse e outras actividades desportivas.

Grandes eventos

Regata da Taça Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e Regata Internacional Taça Macau

A “Regata da Taça Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau 2019 e a Regata Internacional Taça Macau” são as primeiras regatas internacionais de Macau. Macau situa-se na foz do Delta do Rio das Pérolas, com bons recursos ao mar do sul da China e áreas marítimas, e possui boas condições para desenvolver o desporto náutico. Tal evento manteêm-se as relações estreitas de intercâmbio de desporto entre as cidades de Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, proporcionando uma plataforma interactiva de aprendizagem de alto rendimento para as equipas de regatas internacionais. Através da organização das regatas internacionais podem vir a ser desenvolvidos os desportos náuticos de Macau, enriquecendo eventos desportivos locais, bem como promove, continuamente, a construção do Centro Mundial de Turismo e Lazer.

Regatas Internacionais de Barcos-Dragão de Macau

As Regatas são organizadas anualmente desde 1979, sendo convidadas equipas de diferentes países e regiões para participarem nesta actividade desportiva tradicional chinesa.

As Regatas Internacionais de Barcos-Dragão de Macau são co-organizadas pelo Instituto do Desporto e pela Associação de Barcos de Dragão de Macau, China. As regatas de barcos-dragão não só são actividades praticadas no Festival de Barcos-Dragão, mas também tornam-se eventos desportivos importantes em Macau, cuja dimensão fica cada vez maior, atraindo anualmente cada vez mais participantes, quer locais quer do exterior, para participar neste evento.

Liga das Nações de Voleibol Feminino da FIVB Macau

Desde 1994 até 2017, Macau tem organizado com grande sucesso as 21 edições do Grande Prémio Mundial de Voleibol da FIVB. Os esforços da Comissão Organizadora foram amplamente reconhecidos pela FIVB e a competição foi bem acolhida pela população local e turistas, ao longo de todos estes anos. Em 2018 mudou-se para a Liga das Nações de Voleibol Feminino e apresentou provas espectaculares aos espectadores.

FIBA 3X3 Mestres de Macau – Torneio de Qualificação da Grande Baía

Com vista a promover o desenvolvimento de basquetebol de três, fomentar o intercâmbio desportivo entre as cidades da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e incentivar as indústrias de desporto e turismo, realiza-se a primeira edição em 2021 a “FIBA 3X3 Mestres de Macau – Torneio de Qualificação da Grande Baía” que terá lugar num ponto turístico mais conhecido em Macau. Tal iniciativa é um torneio oficial de basquetebol de três de nível internacional mais alto realizado pela FIBA (Federação Internacional de Basquetebol). Em 2021 organiza-se pela primeira vez em Macau que vai ser aberta a inscrição para 11 cidades da Grande Baía, proporcionando mais de 200 vagas de equipas e a equipa que vence pode estar qualificada para competir FIBA 3X3 Torneio de qualificação.

Grande Prémio de Macau

Desde 1954, o Grande Prémio de Macau tem lugar há mais de 60 anos, sendo actualmente o maior evento desportivo internacional em Macau.

Ao longo dos anos as provas mais conhecidas são: Grande Prémio de Macau de Fórmula 3, Grande Prémio de Motos de Macau, Corrida da Guia Macau e Taça GT Macau. O circuito do Grande Prémio de Macau estende-se em volta da Colina da Guia e por isso, é denominado por “Circuito da Guia”, sendo um evento único mundial com carros, Fórmula  e corridas de motas que correm nas ruas da cidade.

Maratona Internacional de Macau

A Maratona Internacional de Macau foi organizada desde 1981 e é uma das actividades desportivas com uma longa história e com maior número de participantes. A partir de 1990, o evento foi reconhecido pela Association of International Marathons & Road Races (AIMS), atraindo vários amantes da corrida de longa distância oriundos de vários países e regiões a Macau e, ultimamente, as inscrições foram aumentadas para um total de 12.000 participantes. O panorama que se segue ao longo do percurso é belo, os participantes não só participam na competição num ambiente próspero urbano e ao mesmo tempo, vão correr junto dos sítios do Património Mundial de Macau e da icónica atracção da cidade, percorrendo os maravilhosos da história e do presente e sentirem as características da cidade de Macau.

Rede das Instalações Desportivas Públicas

A Rede das Instalações Desportivas Públicas foi criada em 2006, com o objectivo de fornecer aos cidadãos, locais para a prática diária do desporto. As instalações na Rede das Instalações Desportivas Públicas são as bases para a formação dos atletas de elite das associações desportivas, sendo, ao mesmo tempo, a plataforma para a organização dos grandes eventos desportivos.

O aluguer das instalações desportivas pode ser individual e colectivo; o aluguer individual pode ser efectuado através da comparência na respectiva instalação ou através de serviços on-line; os cidadãos ou as colectividades podem solicitar a cedência das instalações da Rede das Instalações Desportivas Públicas de acordo com as suas necessidades.

As informações sobre o aluguer das instalações na Rede das Instalações Desportivas Públicas está em http://www.sport.gov.mo/pt/vbs/about

Plano de sócio de “Sport Easy

Para facilitar a utilização das instalações desportivas públicas pelos residentes, o Instituto do Desporto lançou, no dia 14 de Outubro de 2008, o Plano de sócio “Sport Easy”. O objectivo foi criar uma base de dados completa dos desportistas que sejam membros “Sport Easy”, de modo a simplificar as formalidades de utilização das instalações e os procedimentos de inscrição dos residentes nas actividades.

Centro de Formação e Estágio de Atletas

Com o intuito de desenvolvimento de longo prazo do desporto de alto rendimento de Macau, o Centro de Formação e Estágio de Atletas já entrou em funcionamento. Sendo o primeiro centro de formação complexo multifuncional de Macau, este tem o conjunto de três grandes funções: formação, alojamento e medicina desportiva. Ocupa mais de 20 000 metros quadrados do espaço e é composto por dois pavilhões multifuncionais, pavilhões de treino com 5 andares, centro de treino com pesos e piscina interior, a fim de proporcionar aos atletas um ambiente especializado e ideal para treinos, articulando com as modalidades de modo flexível de acordo com as necessidades de treino e apoiando os atletas para atingir ao nível mais alto.

Centro de Medicina Desportiva

O Centro de Medicina Desportiva compete a prestação de serviços especializados e diversificados em prol do desenvolvimento do desporto de Macau, da consolidação da constituição física da população local e do melhoramento do nível de competição dos atletas. O Centro tem como destinatários dos seus serviços os atletas filiados em associações desportivas, os enquadrados no desporto para todos, no desporto para deficientes, no desporto escolar e universitário, e os pacientes transferidos pelos Serviços de Saúde, para além de prestar serviços de exames e avaliação da condição física ao público.